Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará em 2020

1.898 em 28/05/2020

Após assassinato: drogas sintéticas e muito álcool embalam festas raves para jovens de classe média alta em Fortaleza

rave02

Eventos reúnem dezenas de jovens em buffets, barracas de praia e até em motéis

filhinhos

Neste ano, vários jovens de clase média foram presos por vender drogas em raves

ecstasy1

Ecstasy é uma das drogas mais procuradas em tais eventos

Brigas, assédios sexuais, agressões, ingestão de drogas sintéticas misturadas a álcool e muita confusão são comuns em festas rave como a realizada no último fim de semana e que resultou na morte de um jovem de 22 anos em Fortaleza. Neste ano, cerca de 25 pessoas foram presas pela Polícia Civil em operações de combate ao tráfico de drogas como ecstasy que seriam vendidas em tais eventos.

As festas raves costumam reunir jovens  das classes média e alta. Antes, eram feitas às escondidas, geralmente em casas de praia. Atualmente, apesar de não terem tanta divulgação na mídia como shows, viraram uma “febre” em Fortaleza e até buffets luxuosos abrem suas portas para abrigar a barulheira de música eletrônica regada a drogas e muita bebida alcoólica. Barracas de praia e motéis também alugam seus espaços para as raves.

Na festa realizada entre o sábado e a madrugada de domingo, no buffet “La Maison”, no bairro Dunas, na zona Leste da Capital cearense, suposto assédio a uma jovem terminou de maneira  trágica, quando um jovem de 22 anos foi executado com tiros na cabeça depois de uma briga contida pelos seguranças.

O modelo, promotor de eventos e desportista Jhonny Moura Melo tornou-se a vítima. Antes, havia brigado com outros dois rapazes por conta de uma suposta "cantada" à sua namorada, conforme revelam testemunhas do caso.  Um dos “brigões” estava armado e matou o rapaz na saída do buffet. Trata-se de um servidor da Segurança Pública, o agente penitenciário Renilson Garcia Araújo, 27 anos, funcionário estadual lotado na Secretaria da Justiça e da Cidadania (Sejus) e que ainda está em estágio probatório, trabalhando na vigilância interna do Presídio do Carrapicho, em Caucaia.

Renilson foi preso na madrugada desta terça-feira (29) em sua casa, no bairro Antônio Bezerra (zona Oeste da Capital), e já teria confessado o crime à delegada Socorro Portela, diretora da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Prisões

Em duas etapas, a Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas (DCTD) prendeu cerca de 25 jovens de classe média alta (entre eles, o filho de um coronel do Exército Brasileiro), neste ano, acusados de fazerem parte de duas quadrilhas rivais,que comercializavam drogas “pesadas” nas festas raves em Fortaleza.

Conforme a delegada Patrícia Bezerra, da DCTD, as drogas são caras, produzidas, em geral, na Europa e só acessadas por jovens com lastro financeiro. São “filhinhos de papai” que, para se manterem acordados horas a fio em tais eventos, misturam bebidas com pontos de LSD, ecstasy ou skank  (uma espécie de maconha turbinada), além de cocaína.

(FERNANDO RIBEIRO)

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar